Posts Tagged ‘vogue’

CARNAVAL VOGUE

fevereiro 10, 2010

Milênios depois (e fotos com armário e janela de casa como fundo, tipo orkut-girls pré-balada. Ou tipo Terry Richardson, alocka).

TEMÁTICAS:

* Eu

– bagaceira

– briguei com o pente (segundo Amaury Dumbo quando me entrevistou (!))

– Courtney Love (segundo um transeunte da festa)

– noiva cadáver (segundo Cami Andreoni)

* Lê, ou Helen

– linda, como sempre (segundo você pode comprovar pelas fotos)

PS: Cata a sobrancelha descolorida.

Anúncios

SOBRE A MODA DO NU

novembro 29, 2008

Sempre adorei o Nu. Assim, em letra maiúscula, quase como uma entidade.

O Nu é o deixar-se, o permitir-se, o aceitar-se. Sua fotografia é a revelação do que lhe mais íntimo lhe é a matéria, e para isso é preciso coragem – ou muito amor-próprio.

Ou um calendário da Vogue.

voguecalendario_2009

O despir-se significa um desmascarar-se, um destituir-se de armas e argumentos para ser o que se é, ao natural.

Nos despimos de amarras, de amores, de teimosia, de contra-ataques… e nos despimos de vestimentas – aquilo que a moda e a cultura ditam como o que devemos trazer pôr sobre sua pele. Nos despimos, enfim, de convenções.

Estou desnuda e a moda, ao que me parece, também. À margem de mulheres-melancias, somos desnudamentos elegantes e delicados, como deve ser tudo aquilo que se expõe.

Afinal, ser Dita Von Teese nua+Scarlett Johansson semi-boy, não é, em definitivo, para qualquer um.

ditavontesse_johanssen


E não somos, em definitivo, qualquer um.

PENSE MODA

novembro 21, 2008

pense_moda_amb

A balança da moda é de toda cravejada de cristais swarovskis e por isso pesa – e ofusca – um pouco mais. E o Pense Moda não se safou deste excesso de contingente carregado de brilho.

Se enquanto no palco italiano do Centro Brasileiro Britânico o excedente excedia à sua própria luz, na platéia a realidade era bem outra. Não sei se pelo preço (R$ 800,00 o pacote de três dias) ou se pela falta de educação da cultura de moda brasileira em ‘pensar moda’ (e não somente acontecê-la em festas pós-desfiles), os espectadores – e potenciais questionadores – reduziram-se a um pequeno número.

Este fato em nada atrapalha ou coloca em cheque a iniciativa de Cami Yahn, Babu Bicudo e Marcelo Jabur, gente que olha em frente e à frente para organizar e realizar um evento deste porte. Entretanto o restrito público presente já se coloca como o primeiro índice de moda a ser pensado e discutido.

Quanto ao discurso “X” ou “Y” de determinado palestrante, ok, eles estão lá em cima justamente para discutir e argumentar seus pontos de vista sobre o assunto em pauta – o que não justifica seu descompromisso com certas perguntas e atitudes vindas da platéia. Quem é convidado a debater, deduz-se, o é porque tem algo a acrescentar – a quem quer que seja. Pré-conceitos não são, em absoluto, bem vindos. Pontuando nomes (até porque foi fato e não invenção de ninguém), ouvir Daniela Falcão, editora da Vogue Brasil, devolver à Priscila (moradora do Jardim Ângela que foi convidada pelo organizadores do evento para assistir a todas as palestras e não se intimidou com nenhuma bolsa Marc Jacobs, participando ativamente das discussões) que não entendia o que ela queria dizer com ‘moda popular’, confesso, foi um pouco assustador. Afinal, mesmo a Vogue não tendo por perfil de consumidor nada que a vincule ao popular, a distância da publicação do público em questão não implica, ao público em questão, a sua anulação.

De resto, se a Osklen é ou não um ‘case de sucesso’ no Brasil (assunto que rendeu comentários em várias mesas e me deixou intrigada com o alcance conquistado, senão por ela, a Osklen, mas por Oskar, “viril garoto propaganda de sua própria marca”), se o homem brasileiro usaria paletó com bermuda ou se fazemos ‘moda brasileira’ somente pelo simples fato de residirmos neste país dos trópicos, isso são assuntos em pauta e a cada um cabe a sua opinião. O que se faz prerrogativa indispensável é um tópico discutido na mesa de blogues a respeito de seus redatores – a responsabilidade de cada colocação. Se um blogueiro deve ser responsável por tudo aquilo que publica, não deverá ser diferente, com qualquer profissional que participe de uma mesa de debates, a mesma postura.

Por fim, o que de mais saliente podemos afirmar desta segunda edição do Pense Moda é que ele próprio foi o maior assunto colocado em discussão – o que na balança cravejada, me parece uma excelente medida de conclusão.